Instantes Perdidos

Instantes que se perdem na vida rodopiante e alucinada... Instantes escritos em poesia na busca da perfeição.

segunda-feira, abril 11, 2005

Fazer amor…

Pinto o meu olhar com a tua derme
Quero que a nitidez da tua cor,
Que entra pelos olhos dentro e me fere,
Neste primeiro aluimento de amor…
Quando a fronteira tua cola na minha
O silêncio manda,
O mundo aninha
E o tempo abranda…

Que se passa? Sem resposta,
Os poemas de amor nos lábios,
Que se colam aos teus na proposta,
Hálito que absorvo do teu ser,
Do sabor doce e frio na amostra,
Misturo o meu sal com teu doce
Para te sentir como mulher…

Num tingir de cores em harmonia
Que do mistério boca,
Faz do teu seio a doca,
Que do teu cheiro a nostalgia,
Que quase me sufoca…
Finalmente abrando o ritmo
Do nosso amor…
…mesmo assim suspiras
E soltas um grito…


Assin: Artur Rebelo
(Incluído na colectânea “Calores”)

4 Missivas:

  • Blogger Uma estrela errante, escreveu…

    Belissimo poema!

    Venho beber as tuas palavras, profundas e sentidas.

    beijinho

    Isa

     
  • Blogger Vera Cymbron, escreveu…

    Não tenho palavras...só te digo que fiquei a vibrar.
    Jinhos

     
  • Blogger Cathy, escreveu…

    sinceramente gostei do poema em si..do tema...no geral..mas, talvez por não entender, a ultima parte dele foi-me pouco..claro.
    mas relendo encontrarei orumo que quiseste traçar com todo o poema...:)
    beijocas e...volto a repetir..essa colectânea, gostava de um dia tê-la autografada...
    ---morena---

     
  • Blogger BlueShell, escreveu…

    "Que se passa?" - eu sei: um excelente poema pleno de sentires...
    É o amor...e não tem explicação!

    Jinho, BShell

     

Enviar um comentário

<< Voltar