Instantes Perdidos

Instantes que se perdem na vida rodopiante e alucinada... Instantes escritos em poesia na busca da perfeição.

quarta-feira, junho 01, 2005

Lua firme...

A lua que brilha doente,
Deambula eterna na superficie
Calma das limpidas águas,
Retrata incessante o que sente
Ao recordar os olhos mágoas
De alguém, talvez ninguém
Ou de toda a gente...
Essa lua a quando astreia,
Peará na terra inteira
A tristeza duma loucura sentida,
Que espreita sorrateira
Para destruir algo que nos premeia,
Roça e faz do brilho a batida
Mas apenas quando está cheia...
Atravessa a alma tranquila,
Que nos faz pensar,
Que somos ordinários no medo,
Perante esta lua, que jaz na rua
E atravessa o ar...
O medo de beber da noite o negro
Que geram cordéis de sentimento
Não sei nada desta lua acesa,
És conhecimento que sustém o teu segredo
Na luz que será sempre a mesma...

Assino: Artur Rebelo

3 Missivas:

  • Blogger Uma estrela errante, escreveu…

    Belissimo Poeta!
    Gosto de beber as tuas palavras.

    beijo meu

    Isa

     
  • Anonymous Anónimo, escreveu…

    Querido Artur tuas palavras sao belas..
    mas isso ja tu o sabes

    bem hajas poeta*

     
  • Anonymous mocho, escreveu…

    Gostei muito de ler este poema. Está bem feito, bem escrito e muito sentido...como só um poeta sabe construir.

     

Enviar um comentário

<< Voltar