Instantes Perdidos

Instantes que se perdem na vida rodopiante e alucinada... Instantes escritos em poesia na busca da perfeição.

quinta-feira, julho 07, 2005

Com 16 anos...

Acrescento tempo à tua alma
Com a minha força do viver
Os teus lábios falam nos meus
Com tacto áspero e doce que salva
Onde o sabor é como amanhecer
No brilho que nasce nos olhos teus...
Assustam a obsessão do amor
No teu corpo refugio do desejo
Onde nasce dele o tal sabor
Que o jorra sem perdão no peito...
Acrescento tempo ao teu amor
Obsessão de rasgar a tua pele
Com este meu denso sangue
Dou tudo o que tenho até o calor
Que é matar a sede que a mim fere
Sentir a aragem que chamo de dor
Essa aragem forte a mim quer...
Na ofensa que é haver este amor
Porque deste amor, venha quem vier
Não há-de sentir como eu te sinto,
Porque sinto-te como mulher.

Assino: Artur Rebelo

Imagem:
Tela de nome "The Young Sea Nymph"
Pintada por Adolphe Jourdan em 1870

5 Missivas:

  • Anonymous Anónimo, escreveu…

    Querido Poeta,
    é-me sempre muito complicado comentar-te:)

    por isso
    deixo te um beijo
    e o resto ja sabes..

    baci*Rose

     
  • Blogger Lina, escreveu…

    ...cheguei a ti.

     
  • Blogger Vera Cymbron, escreveu…

    Eu com 16 anos recomecei do zero...aos dezasseis muita coisa já se viveu. Bonitas palavras,
    Jinhos

     
  • Anonymous Anónimo, escreveu…

    Com 16 anos...tudo parece mágico...


    DAvid
    www.mylifeisamovie2.blogspot.com

     
  • Blogger Menina_marota, escreveu…

    Eu com 16 anos, sonhava com o princípe encantado...

    Belo poema...

    Um abraço ;)

     

Enviar um comentário

<< Voltar